Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 3.0/5 (357 votos)



ONLINE
1





Partilhe este Site...




Total de visitas: 118715

CONVERSA AMIGA




>Somos todos iguais perante Deus e as leis dos homens.


 Mas somos todos diferentes. Somos um microcosmo dentro de um macrocosmo.


 Cada um de nós tem uma sensibilidade diferente e uma maneira diferente de ver a vida, de sentir as emoções e transmitir essas mesmas emoções para o exterior.


Podemos ultrapassar os medos enfrentando os mesmos, ou retrair a nossa confiança e guardar-nos em segurança, deixando a vida passar pelos nossos olhos, sem nada fazer para mudar o rumo da nossa história.


 O meu pai, certa vez confessou-me:


- Passei pela vida e não vivi. E perguntou-me:


 - Vais esperar ter a minha idade para dizer isto?


 Na altura eu ainda era jovem, cheia de sonhos, pensava que ele estava a exagerar, e que não devia dar tanta importância a tal facto, pois eu teria de certeza, mais oportunidades do que ele de encontrar a verdadeira ideia de felicidade.


Só depois de tantos anos, passados à margem da essência e do significado real da palavra VIVER, é que pude dar valor, a palavras tão sábias e potentes, outrora sem nexo, com as quais hoje consegui uma real conexão.


 Hoje, quando olho para trás, e vejo o rasto de destruição que deixei pelo caminho, as pessoas que magoei, as pessoas que destruí por egoísmo, ao pensar que os fins justifivam os meios, penso para mim mesma:


" Meu Deus, o que foi que eu fiz da minha vida? Será que nada do que fiz valeu a pena? "


 Foi um longo caminho até chegar aqui, neste oásis da alma, que fica no limiar da existência como ser especial que sou, com todas as minhas limitações humanas, com todos os obstáculos, com todas as atribulações normais da vida, inerentes a todos os seres humanos, encontro-me comigo, a lutar como sempre lutei, porém, de maneira diferente, pois aprendi que a VIDA tem o seu próprio ritmo,a sua melodia, e que devemos remar na direcção das correntes, e nunca contra elas.


Hoje, sinto que depois desta caminhada sem par, onde perdi o amor-próprio, a alma e o coração, sinto orgulho do que sou. Sinto-me invencível. Sigo em frente, cumprindo o meu destino, a minha missão de vida, até que a consumação da mesma ocorra. Nada pode parar o processo evolutivo, para o qual estou determinada.


Consegui vence o maior de todos os medos:


 " O medo da própria vida."